Passar para o Conteúdo Principal Top
Mostrar links rápidos
Câmara Municipal de Murça
Hoje
Hoje
Amanhã
Amanhã

Câmara de Murça quer assegurar o controlo da dívida global e a seletividade da despesa municipal

Câmara de Murça quer assegurar o controlo da dívida global e a seletividade da despesa municipal
28 Novembro 2018

O orçamento municipal para o ano financeiro de 2019 é superior a 8,9 milhões de euros e contempla diversas intervenções e investimentos no concelho, evidenciando-se uma política de rigor, transparência e de boas contas, com apostas orientadas para políticas de proximidade e de descentralização. Executivo liderado por Mário Artur Lopes quer assegurar o controlo da dívida global e a seletividade da despesa municipal.

De acordo com a proposta de orçamento municipal para 2019, a rondar os 8,9 milhões de euros, aprovado pela Câmara Municipal de Murça, no passado dia 6 de novembro e que em breve será apreciado e votado pela Assembleia Municipal, a política orçamental a implementar no ano 2019, assenta numa utilização adequada e eficiente dos recursos financeiros da autarquia, para alcançar um conjunto de objetivos estratégicos onde se destacam a manutenção, o equilíbrio e a sustentabilidade financeira.

Assim, para o ano 2019, o Município de Murça assume o papel de prevenção e combate a todas as formas de exclusão social, através do apoio social às populações, por via de ações diretas áreas da educação, com investimentos significativos, ao nível das condições de habitabilidade e conforto, insonorização, climatização e espaços exteriores, e ação social, apoiando as famílias desfavorecidas, apoiando os grupos mais frágeis e debilitados.

O presidente da Câmara Municipal, Mário Artur Lopes destaca a consolidação e modernização dos serviços, um processo iniciado recentemente e que visa responder positivamente e mais atempadamente aos murcenses, acrescentando que “desburocratizar os processos e promover uma melhoria qualitativa e quantitativa do serviço prestado, um processo para o qual a Câmara de Murça conta, como tem sido hábito, com a dedicação e competência de todos os trabalhadores da autarquia para que se alcancem os objetivos propostos. Neste âmbito e a curto prazo, a nossa população vai dispor do Balcão Único, trata-se de um novo serviço de atendimento, com o objetivo de simplificar a vida dos munícipes”.

Neste novo Plano e Orçamento, já aprovado ao nível da Câmara Municipal, destacam-se importantes iniciativas que o Executivo Municipal quer concretizar, evidenciando-se o projeto de combate ao insucesso escolar iniciado já este ano letivo, a reformulação da Escola EB 2,3 e Secundária de Murça, a beneficiação da Piscina Municipal coberta, a 3.ª fase de ampliação da Zona Industrial, a recuperação da casa do Soldado Milhões, a ampliação do Cemitério Municipal de Murça, a requalificação de espaço público no Bairro do Pinheirinho – espaço envolvente à Capela de S. Tiago, reabilitação e reconversão do ex-edifício da Cooperativa Agrícola dos Olivicultores de Murça para a instalação dos serviços municipais do Município de Murça, reabilitação e restauro do espaço interior da Capela da Misericórdia de Murça, nos termos do protocolo com a EDP e Direção Regional de Cultura do Norte, bem como a ampliação e remodelação de toda a rede de iluminação pública em várias localidades do concelho.

Foi apresentada também uma candidatura para a beneficiação do “Trilho do Fidalgo”, que visa preservar, conservar, valorizar os elementos patrimoniais locais, paisagísticos e ambientais, foi celebrado um protocolo de cooperação com a Agência Portuguesa do Ambiente que irá permitir a recuperação de linhas de água afetadas pelos incêndios de 2017.

O Plano Plurianual de Investimentos contempla ainda para as freguesias, investimentos para a beneficiação da rede de saneamento e estações de tratamento de águas residuais e abastecimento de água, bem como melhorias em algumas acessibilidades.

Na sua nota introdutória ao orçamento, o presidente Mário Artur Lopes reconhece a importância e o papel das associações do concelho “como verdadeiros polos de desenvolvimento cultural, recreativo, juvenil, social e desportivo”, reforçando que “é fundamental dar continuidade à cooperação, nomeadamente ao nível de apoios, entre o Município e as diversas coletividades”.